Image hosting by Photobucket

25 fevereiro, 2005

Assuntos de família
Por Torquato Piauí



O texto abaixo é de autoria da publicitária Mayra Cunha, do blog Milk Shake. Eu sou primo direto de seu pai, o jornalista Paulo José Cunha, e portanto, primo da Mayra em segundo grau. Entre outras coisas, o texto serviu para inflar meu ego. Gracias. (TP)

Torquato foi um poeta daqueles de vida curta. Sua obra publicada se resume a um único livro, Os Últimos Dias de Paupéria, que está pra ser reeditado há anos e nunca sai. E tem muita coisa inédita espalhada ainda por aí. Eu mesma não tenho um exemplar do livro. Qualquer dia desses me faço de doida e roubo do papai ou do Zélder!! (Risos).

No dia de seu aniversário de 28 anos, Torquato saiu para comemorar com a esposa, o filho de 2 anos e os amigos. Ao voltar pra casa, no Rio de Janeiro, esperou todos irem dormir, se trancou no banheiro e, literalmente, abriu o gás. Ficou lá escrevendo até não poder mais. Morreu numa madrugada do ano de 1972.

Muitos o tem como genial. E foi mesmo. Nome importante do movimento Tropicalista, é o autor de letras de músicas que o povo canta sem nem saber que são dele. Soy louco por ti, América, Geléia Geral e Go Back são algumas só pra não deixar de citar. Foi poeta e letrista de marca maior. Um teresinense que morava no Rio e era chamado de baiano, por sempre andar com Caetano, Tom Zé e Gil (aliás, li outro dia que foi com quem o Gil fez mais parcerias). E adoraaaava cajuína. Agora sim eu cheguei ao ponto que eu queria chegar...

Certo dia, depois de muitos anos de sua morte, Caetano Veloso foi fazer um show em Teresina, no Piauí. Como sempre fazia, ligou pro pai do Torquato (que eu chamo de Vovô Heli, por ser meu padrinho querido) dizendo que gostaria de encontrá-lo. O suposto diálogo foi esse (óbvio que eu vou escrever do meu jeito, né? Não faço a mínima idéia de como essa conversa se deu de fato):
- Oi, Caetano, meu filho (ele chama todo mundo de meu filho, deve ter chamado o Caetano também), venha almoçar aqui em casa.

E lá se foi Caetano almoçar na casa da tia avó mais fofa que eu já tive: Vovó Saló (mãe de Torquato). Foi recebido com todas as honras piauienses e falou que gostaria de experimentar a famosa cajuína. Disse que Torquato falava demais nisso. Que era a melhor bebida que existia no mundo (pra quem não sabe do que se trata, é uma espécie de suco de caju que não é travoso e não leva uma gota de água. O líquido é tirado todinho da fruta... diliça!!).

Depois do almoço e de muita conversa, Caetano foi descansar numa rede (claro!) antes de voltar pro hotel. Vovô Heli saiu pra trabalhar, mas antes pegou uma rosa da roseira que ficava na frente da casa (affe! Como eu me arrebentei naqueles espinhos quando era criança!!!) e colocou em cima da mesa, ao lado dele. Quando acordou, viu a rosa e não se fez de rogado. Pouco tempo depois compôs Cajuína dedicada ao vovô Heli. (Que fofo!!!):

Existirmos - a que será que se destina?
Pois quando tu me deste a rosa pequenina (Viram a rosa aí, gente??)
Vi que és um homem lindo e que se acaso a sina (Quem é o homem lindo?? Vovô Heli!! Um copo de cajuína pra quem acertou!)
Do menino infeliz não se nos ilumina (E o menino?? Outro copo pra quem disse Torquato!! Dessa vez, gelado!)
Tampouco turva-se a lágrima nordestina
Apenas a matéria vida era tão fina
E éramos olharmo-nos, intacta retina:
A cajuína cristalina em Teresina.

Lindo, não? Pois é. Essa é a história que um dia minha família me contou lá em Teresina. Nem sei se os detalhes são esses mesmos. Mas entendi assim e aí vai a minha interpretação. Posso ter mudado pequenos detalhes que não interferem no final das contas.

Dizem as más línguas que vovô Heli ainda guarda o papel com a letra da música escrita à mão por Caetano. Vovó Saló já foi se encontrar com o filho há alguns anos. E ele, se estivesse vivo até hoje, estaria com 60 anos. Imaginem o que a memória cultural desse país não perdeu, já que este homem produziu como um louco somente por 28 anos. O lance é aproveitar o que ele deixou.

É isso aí. Deu até saudade da família, do Piauí e do vovô Heli. Taí, vou tomar uma bela de uma cajuína hoje em homenagem a todo mundo!!